24 janeiro 2010

"Reconcilia-te com todas as coisas do céu e da terra.
Quando se efetivar a reconciliação com todas as coisas do céu e da terra, tudo será teu amigo.
Quando todo o Universo se tornar seu amigo, coisa alguma do Universo poderá causar-te dano.
Se és ferido por algo ou se és atingido por micróbios ou espíritos baixos, é prova de que não estás reconciliado com toda as coisas do céu e da terra.
Reflexiona e reconcilia-te.
Esta é a razão por que te ensinei, outrora, que era necessário te reconciliares com teus irmãos antes de trazeres oferenda ao altar.
Dentre os teus irmãos, os mais importantes são teus pais.
Mesmo que agradeças a Deus, se não consegues, porém, agradecer a teus pais, não estás em conformidade com a vontade de Deus.
Reconciliar-se com todas as coisas do Universo significa agradecer todas as coisas do Universo.
A reconciliação verdadeira será consolidada quando houver recíproco agradecer.
Mesmo que agradeça a Deus, aquele que não agradece a todas as coisas do céu e da terra não consolida a reconciliação com todas as coisas do céu e da terra.
Não havendo reconciliação com todas as coisas do Universo, mesmo que Deus queira te auxiliar, as vibrações mentais de discórdia não te permitem captar as ondas da salvação de Deus.
Agradece à Pátria. Agradece a teu pai e a tua mãe.
Agradece a teu marido ou tua mulher.
Agradece a teus filhos. Agradece a teus criados.
Agradece a todas as pessoas.
Agradece a todas as coisas do céu e da terra.
Somente dentro desse sentimento de gratidão é que poderás ver-Me e receber Minha salvação.
Como sou o Todo de tudo, estarei somente dentro daquele que estiver reconciliado com todas as coisas do céu e da terra.
Não sou presença que possa ser vista aqui ou acolá.
Por isso não me incorporo em médiuns.
Não penses que chamando por Deus através de um médium, Deus possa Se revelar.
Se queres chamar-Me, reconcilia-te com todas as coisas do céu e da terra e chama por Mim.
Porque sou Amor, ao te reconciliares com todas as coisas do céu e da terra, aí, então, Me revelarei."
(Revelação Divina da noite de 27 de setembro de 1931)