31 julho 2015

Un Verano en Nueva York


Si te quieres divertir, con encanto y con primor
solo tienes que vivir, u verano en Nueva York

Te levantan de rodillas, tus amigos caprichosos
te llevan para las villas, o a la montaña del osos
luego a la gira de un barco, o a la playa de un cien brillos
la fiesta en el mamoncillo, o con la pompa en un charco.

si te quieres divertir, con encanto y con primor
solo tienes que vivir, u verano en Nueva York.

El cuatro la independencia, el desfile borinqueño
todo esto parece un sueño, si lo gozas con prodencia
fiesta folklorica tienes, alla en el parque central
si de ante mano no mueres, ves la fiesta de san juan

juti barreto me dijo......

Un verano en Nueva york, hayyy alli se goza mejor
Un verano en Nueva york, te vas a la fiesta de san juan
Un verano en Nueva york, Un verano en Nueva york
Un verano en Nueva york, a la montaña del oso
Un verano en Nueva york, oye, te llevan a guarachar
Un verano en Nueva york, los amigos caprichosos
Un verano en Nueva york, que nunca quieren parar
Un verano en Nueva york, Un verano en Nueva york
Un verano en Nueva york.... (bis)....

08 julho 2015

Apaixone-se por alguém que cuide de você numa virose

O resto a gente ajeita.

A gente é mesmo muito bobo. Insistimos em inventar um ridículo rol de qualidades infinitas que almejamos na pessoa que escolhemos para compartilhar a vida. Qualidades essas que, na maioria das vezes, nem nós mesmos temos.

Cor do cabelo, posição política, séries favoritas, bairro onde mora, largura do ombro, filmes que já viu, livros que já leu, circunferência do quadril, tonalidade dos dentes. Blá blá blá.

Uma lista boba que sabemos que provavelmente nunca será concretizada. Mas, apesar de sabermos que nosso coração debocha dessas exigências, acho que elas não são de todo mal. E desde que bem selecionadas, podem, de fato, aumentar a probabilidade de um relacionamento feliz.

Além dos requisitos óbvios- não beliscar crianças/não chutar velhinhos/não matar pandas/não votar no bolsonaro/não tomar fanta uva- acho válido estabelecer uma ou outra característica como referencial.

E para mim, há uma característica realmente essencial: essa pessoa precisa estar disposta a cuidar de você quando você tiver uma virose. Sei que não é a situação ideal para pensar num início de relacionamento, mas a longo prazo, isso pode sintetizar uma incrível capacidade de cuidar, de tolerar, de encarar, de amar.

E eu não estou falando de febrinha, 37,5, cof-cof. Tô falando de virose das boas: diarreia, vômito, queda de pressão, 39 de febre, tremedeira, dores abdominais, vexames e papelões. Sério mesmo.

Encontre alguém que olhe para você e perceba que há algo de errado antes de você correr para o banheiro. Alguém que reconheça que aquele seu silêncio não é só um ar pensativo. Alguém que perceba que você não está na cama de madrugada e vá conferir o que está havendo.

Encontre alguém que ligue a TV num volume alto quando você for para o banheiro com dor de barriga, para você se sentir menos constrangido com eventuais barulhos. E que grite uns “tudo bem aí?!” quando você demorar muito. Alguém te leve um copo de água gelada depois de te ouvir vomitar,e que tente sorrir para te mostrar que está tudo bem.

Encontre alguém que, se não souber o que fazer, dê um Google, ligue para a mãe, procure soluções. Alguém que volte da farmácia com um monte de tralha. Alguém que compre maçã, batata e torrada. Ou ainda, que compre um pé de alface e um papaia, por mais que seja um baita erro, um erro bruto, mas que tenha tido a melhor das intenções.

Encontre alguém que deixe o telefone do seu lado para emergências. Alguém que não queira te deixar sozinho nesses estado, mas que se tiver que sair, fique com a cabeça em você. Alguém que cancele os compromissos do fim de semana, se acomode ao seu lado no sofá, coloque um filme e faça carinhos na sua barriga que ainda faz “blorgh-blorgh-blorgh”.

Não procure alguém que te leve flores toda semana, que te dê presentes caros, que tenha um monte de diplomas pendurados na parede ou um cabelo incrível para transmitir para seus filhos. Se vier com isso é bônus, mas este não é o foco.

Busque alguém que esteja lá por você. Alguém que olhe para você com carinho, ainda que você esteja cadavérico. E que mesmo no contexto mais desagradável, te arranque um sorriso cansado e te dê a certeza de que tudo vai ficar bem. Alguém que queira te abraçar mesmo quando você estiver inabraçável e que te dê a segurança de que o amor é muito maior do que uma diarreia. O resto a gente ajeita.

Fonte: Ruth Manus http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/apaixone-se-por-alguem-que-cuide-de-voce-numa-virose/